domingo, 18 de dezembro de 2011

ÁRVORE DE NATAL DA BIBLIOTECA ARCO-ÍRIS

A Biblioteca Arco-íris é amiga do ambiente, por esse motivo fizemos uma árvore de natal ecológica, com caixas de cereais e jornais, tal só foi possível devido à grande colaboração dos nossos alunos que trouxeram de casa todos os materiais necessários para reutilizarmos.
A nossa BE deseja a todos um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de alegrias e muitas leituras.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

VENCEDORES DO CONCURSO "NOME E LOGOTIPO PARA A NOVA BE"


A Biblioteca da Escola EB1 N.º2 de Almancil já tem nome, chama-se Biblioteca Arco-Íris, após votação a vencedora do concurso foi a aluna Luana Gonçalves do 1.ºano; em segundo lugar ficou a aluna Sabrina Wokel do 4.ºano e em terceiro lugar o aluno Alexandre Martins do 1.ºano.

Os primeiros lugares receberam um certificado e uma pequena lembrança.
Aqui fica o nosso logotipo!

Agradecemos a todos os alunos que participaram!

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Comemoração do Dia Mundial da Luta contra a Sida


dia sidaNo âmbito da comemoração do Dia Mundial da Luta Contra a SIDA, no dia 2 de dezembro, o Grupo de Ciências Naturais e da Natureza, em parceria com a equipa do PES, dinamizou na Biblioteca da escola sede várias atividades para os alunos da turma D do 5º ano. Estes alunos participaram em vários jogos preparados pelos alunos da turma D do 9.º ano e responderam a questionários elaborados pelos alunos desta mesma turma. Todos os alunos das turmas de 3.º ciclo foram convidados a visionar o filme "Girl, Positive", no auditório da escola sede. Estas atividades tiveram como principal objetivo sensibilizar os mais novos para a problemática do VIH/SIDA e a combater a discriminação.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Concurso "e-Eco Postal de Natal"

As 4 turmas da EB1 n.º 1 de Almancil participaram no Concurso "e-Eco-Postal de Natal", promovido pela Câmara Municipal de Loulé. Pretendeu-se que os alunos criassem uma ilustração de Natal composta por uma mensagem natalícia, aliada a um apelo ao respeito pelo ambiente (aplicação da política dos 3 R's, consumo sustentável e/ou poupança energética).

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

domingo, 30 de outubro de 2011

A BIBLIOTECA NÃO TEM LIVROS, TEM UM UNIVERSO ...

As Bibliotecas do nosso Agrupamento contribuíram para a comemoração do dia Internacional das BE elaborando uma faixa conjunta que, neste momento, se encontra exposta, na Biblioteca da escola sede.

Dia Internacional das Bibliotecas Escolares

Inserido na comemoração Internacional das Bibliotecas Escolares e para assinalar o dia 24 de Outubro, foi exposto, na Biblioteca da escola sede, um cartaz alusivo a esta data. Este cartaz é constituído por diversas frases elaboradas por alunos de turmas dos 2.º e 3.º ciclos, subordinadas a este tema.
Ainda, no âmbito desta comemoração, a equipa da Biblioteca realizou um concurso que tinha como objectivo seleccionar uma frase que melhor traduzisse a importância que este espaço constitui para os nossos alunos. De entre as frases a concurso, foi seleccionada a do aluno Bruno Gâmboa, da turma C, do 6.º ano: “ A Biblioteca não tem livros, tem um universo…»

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Cartaz MIBE do Agrupamento

As Bibliotecas do Agrupamento elaboraram uma faixa conjunta para comemoração do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares. Todas as BE do concelho de Loulé elaboraram uma. As mesmas serão expostas na Biblioteca Municipal de Loulé e a partir do dia 31 de Outubro.



A mensagem dos alunos do 1.º Ciclo "UM MUNDO QUE NOS DESPERTA PARA O SABER" surgiu a partir das várias frases que  elaboraram sobre a biblioteca...

NA BE POSSO…
…desenhar e ir jogar no computador. - Andreea
…aprender a brincar e requisitar livros de fantasia. – Patrícia
…ler, ver filmes e jogar no computador. – Jociliny

A BE É…
…linda e lá podemos ver filmes. - Luís Nobre
…grande bonita e colorida. - Rui Pedro
…muito boa e importante para nós e é muito «fixe».  - Mateus e Joana Silva
…interessante, pois lemos, jogamos e vemos filmes. - Rafael Lucian.
…é linda. - Márcia Dias, Gabriel Rocheta,  Camila Sarmento, Iara
…um paraíso de histórias. - Denis Sandor
…o melhor sítio do Mundo.  - Sérgio
…é gira e divertida. – Miguel,  Ruben e Pedro
…muito educativa porque podemos aprender muitas coisas. - Marcos Pereira,  Lucas Carmo
…é simpática porque tem muitos livros. - Luka Charnock
…um lugar secreto que vamos descobrindo. – Blandina Pereira
…o máximo. – Adelina Batin
…onde a nossa imaginação voa nas asas dos livros. - Erica Caeiro
…é «fixe». É divertida por dentro e por fora. – Paulo, José e Stéphane
…maravilhosa. Tem muitas coisas para requisitar. É uma rosa linda. – Victória
…um lugar mágico, silencioso e muito educativo. -  Nadine Gomes
…um espaço onde passamos o tempo livre. – Carolina
…é boa, bonita e tem muitos jogos. – André
…colorida e tem muitos livros para levar para casa. - Maria Luísa.      
…um mundo de aprendizagem. - Inês Moreira
…um lugar divertido. - Madalena Nobre
…um lugar onde se aprende a ler e a escrever. - Gabriel
…é um espaço na escola onde se pode estudar e ainda se pode brincar. – Rodrigo
…é fantástica e «fixe», pois tem muita coisa para fazer. – Fábio
…um sítio mágico. - Christian

NA BE HÁ…
…livros para escolher e ler. – Anicia, Adina, Felix e  Samuel Blejeru
…computadores e CD’s. — Emanuel,  Tiago Blaga e Lucas
…muitos jogos e computadores. Podemos desenhar e aprender. - Tamara Balog, Eunice,  Bianca e Alexandru
…computadores e também podemos ver televisão. - Paulina Gradinar
…muitos jogos divertidos e uma televisão para as crianças verem bonecos animados. - Diogo Bate e Ruben
livros para aprender e jogos divertidos. –
…computadores com Internet. – Emanuel
… livros de mamíferos que têm muita informação e diversão. – Julia
…um sítio com muitos livros e jogos divertidos. – Daniel Reis
EU…
…gosto da biblioteca. - Jéssica Silva
…gosto muito da biblioteca porque é educativa e é muito agradável para todas as crianças e até para adultos. - André Lopes
…adoro a Biblioteca Escolar. – Igor
…quando vou para a biblioteca fico feliz. – Danilo
…quando vou para a biblioteca brinco no computador. – Alexandre

EU ACHO QUE…
…A Biblioteca Escolar faz-nos aprender.  - Miguel Ângelo
… lá é divertido fazer atividades.  – Cristina Say

A Biblioteca faz-nos aprender palavras novas.
Lemos histórias maravilhosas e fazmos jogos para nos divertirmos.
Vemos filmes e fazemos muitos trabalhos engraçados. Também podemos estudar porque lá não há barulho.
Eu gosto de levar para casa livros para ler.
Sempre que levo um livro engraçado, leio aos meus colegas que começam a rir, e eu também.
Eu adoro ir à biblioteca escolar. - Camélia Priala

Os livros são divertidos como a biblioteca.
Aqui aprende-se coisas que não vemos.
É um bom sítio para aprender e tem livros para todos. –  Samuel

A Biblioteca Escolar é um sítio original onde se pode aprender, estudar, ler livros, ir ao computador e fazer muitas coisas mais. Mas há regras a cumprir para na biblioteca ser feliz.
Isto tudo é magia. É por isso que se chama Sala Mágica. – Nilton
Na minha escola, há uma biblioteca que nos ajuda muito, porque tem jogos que nos ajudam a aprender a ler e a escrever.
Tem muitos livros, filmes e um tapete onde se pode brincar. - João Sousa    

A  biblioteca escolar é um lugar que nos dá imaginação e faz melhorar a nossa leitura.

A biblioteca Escolar é o nosso futuro.

A biblioteca faz-nos aprender palavras novas para ler histórias maravilhosas. Aqui há jogos muito lindos e também fazemos desenhos engraçados e escrevemos coisas engraçadas.
Podemos ver filmes engraçados e não podemos fazer muito barulho. Temos que falar baixinho. - Maria Karpa.



segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Os descobridores


                Sara e Miguel estavam no intervalo à espera que chegasse a hora da aula começar. Miguel aproveitou o intervalo para convidar a Sara para o dia do seu aniversário. A Sara ficou muito contente, pois os aniversários são sempre dias de muita diversão. Como não tinha nenhum presente, Sara chegou da escola e resolveu ir ao sótão do seu avô, que já tinha falecido, procurar algo divertido e engraçado para oferecer ao Miguel.
                Ao abrir um livro velho, encontra uma carta que dava a entender que havia um tesouro escondido.
               
                Sara, muito entusiasmada, foi a correr contar ao Miguel, levando consigo o livro. Estava tão empolgada que nem reparou que dentro do livro havia um mapa com todas as indicações para o local do tesouro.
                Mais tarde, foram à procura desse tesouro e encontraram outra carta referindo os materiais que precisavam para encontrá-lo. Os materiais eram: uma lupa, uma lanterna e uma pá.
                Depois de algum tempo de buscas, a Sara e o Miguel encontraram o tão aguardado tesouro: eram cartas escritas pelo seu avô contando a história do romance entre o seu avô e a sua avó.
                Sara, como era uma romântica, ficou contentíssima com este romance empolgante e, foi então, que resolveu escrever um pequeno livro contando a história de amizade que tem há muitos anos com o seu amigo Miguel.

Catarina Canário, 9ºD

domingo, 16 de outubro de 2011

Conselhos a um amigo do Fidalgo do Auto da Barca do Inferno


                                                                                                Inferno, 12 de Outubro de 1516

Caro amigo,

    Estou a escrever-te esta carta para alertar que a vida que construímos é o julgamento da morte. Se tiveres cautela com as tuas acções independentemente do motivos que te leve a fazer, o julgamento da tua morte será decerto menos triste.
   Recomendo assim que venhas acompanhar os passos de Deus e daqueles que o amam, que colabores com aqueles que mais precisam e ajudes aqueles que necessitam dessa mesma ajuda. Se maltratares e julgares as pessoas, pior será o teu destino e terás o mesmo destino que tive.
    Não sejas egoísta, aldrabão e malcriado com as outras pessoas, mas sim contribuí para o bem-estar delas como o teu próprio bem-estar. O percurso que percorremos ao longo da vida é acompanhados pelas almas que estão no céu. Qualquer transtorno na vida será também um transtorno na tua morte, pelo contrário por cada boa acção que fizermos será retribuído mais tarde quando as nossas almas são julgadas.
    Pensa sempre naquilo que irás fazer e nas pessoas em primeiro lugar. Não sejas egoísta, arrogante e presençoso como eu sou, porque o teu destino é o mesmo que o meu, o Inferno.

Cumprimentos.
Fidalgo.

Miguel Cristina, 9.º D

Carta a Dom Francisco, amigo do Fidalgo do Auto da Barca do Inferno


                                                                                    Inferno, 25 de Novembro de 1516
Querido Dom Francisco,

    Como sabes, morri mas nunca pensei que fosse parar ao Inferno! Eu?! Um nobre com tanta missa rezada!!! Ainda estou indignado com o meu destino, nunca pensei que isso me pudesse acontecer!
Bem estou a escrever-te porque não quero que tenhas um final como o meu. Nós pensamos que por sermos nobres, termos dinheiro, levarmos uma vida de luxo e prazer e sermos confessados, temos um lugar no paraíso, mas a verdade não é essa. Ainda estás a tempo de mudar!
    Tens uma mulher que tens que cuidar, por isso aconselho-te a deixar a tua amante que só te vai trazer desgosto! Cada missa a que fores, reza com honestidade! Não te aproveites dos outros e leva uma vida pura, como nunca levaste. Ao longo da nossa vida sempre abusámos dos mais fracos, a quem sempre demos desprezo e tratámos como criados. Hoje, aconselho-te a dar-lhes esmola e a olhares por eles, pois ao fim e ao cabo são seres desprotegidos e sem cuidados!
    Se queres que te diga, estou bastante arrependido de tudo aquilo que fiz na vida. Se não tivesse abusado e explorado tanto dos mais fracos e não tivesse sido tão arrogante e tão presunçoso, teria um lugar no paraíso, espero que ainda consigas um!

Do teu fiel amigo,
Dom Anrique

Gabriela Penas, 9.º D

sábado, 15 de outubro de 2011

O dia do acampamento


    No aniversário do Miguel ofereci-lhe um mapa, uma luva e uma lanterna. Resolvemos, então, que seria uma ótima ideia irmos acampar no dia seguinte. Estávamos ansiosos por uma aventura!
     O dia do acampamento chegou e dirigimo-nos para a floresta. Lá o Miguel tirou o mapa da sua mochila, procurámos a nossa localização e encontrámos o trilho que levava à clareira ideal, onde passaríamos a noite.
    
    No caminho fomos encontrando todos os sinais indicados no mapa, mas quando paramos para descansar um pouco, vimos um pequeno inseto pousado na vegetação. Como não o conseguíamos identificar, o Miguel resolveu que devíamos utilizar a lupa para reconhecer aquele inseto. Com cuidado afastámos a vegetação de modo a que o animal não se pusesse em fuga, quando conseguimos ver com clareza, verificamos que se tratava de uma pequena lagarta.
     Depois do mistério desvendado, continuámos o percurso até à clareira. Pelo caminho, o céu foi escurecendo e quando chegámos ao local pretendido já tinha anoitecido completamente. Foi então que, sugeri ao Miguel que ligássemos a lanterna e a pousássemos numa pedra para nos poder iluminar e montarmos a tenda.
     No dia seguinte, o Miguel queria ir em direção à praia, todavia esta ficava muito longe da clareia, portanto sugeri-lhe voltar ao início da floresta, mas por outro atalho indicado no mapa. Ele concordou e seguimos caminho. Chegados ao início da floresta, regressámos a casa como previsto e lá fomos à praia.

 Marisa Norte, 9.º C

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

O País Mistério

O grupo de Geografia, em parceria com a Biblioteca da Escola sede, à semelhança do ano letivo anterior, vai continuar a dinamizar a atividade “O País Mistério”.

Os alunos têm que identificar o país retratado e responder no formulário fornecido na Biblioteca Escolar, de acordo com a publicação do retrato do “País Mistério”.
Será publicada mensalmente a lista dos alunos que identificaram corretamente o “País Mistério” e publicados os comentários que o comprovarão.
Ganharão o concurso os alunos que, no final do ano, obtiverem maior pontuação.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

OUTUBRO - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

A 24 de outubro celebra-se o Dia Internacional das Bibliotecas Escolares e todos os anos há um slogan oficial. Eis o de 2011
BIBLIOTECA ESCOLAR
SABER
UM PODER PARA A VIDA

sábado, 8 de outubro de 2011

Sentada no sofá...


    Sentada no sofá, recebo uma mensagem a dizer: “o teu primo teve um acidente”. Com o meu coração a bater 100% a hora, liguei a televisão. Telefono ao meu pai para todos os detalhes, ele confirmou tudo.
    Naquele momento só me apetecia chorar, mas sem grandes alarmes, apenas queria estar perto dele, sem saber como.
    Estava deitada na cama, ligam-me de Londres! Atendo…
    E com uma voz a chorar oiço: «ele morreu Ana, o Sandro morreu!!»
    Desliguei o telefone, senti um grande aperto! Faço-me perguntas às quais não consigo responder!      
    Naquele momento, só pensava…”ele tinha tanto talento”,”porquê ele???”, “isto não pode estar acontecer!!!”,”quero o meu primo!!”
    Só me apetecia gritar, odiava o mundo!!!
    Apesar de já ter passado, cada dia que passa, parece pior, o sentimento da saudade dói, sentir ódio pelo que se passou…quase a entrar numa depressão profunda. Alguém me disse: «Ana foi a hora dele!»
    Eu com lágrimas a escorrer pela cara e ao soluços respondi: mas eu nem tive oportunidade de lhe dizer que o amava…
    Continuei a fazer a mala, para ir para Almada, ao funeral dele…
    No meio da multidão, sem vontade de passar pelas pessoas que, só estavam a atrapalhar!
    Ao tentar entrar no crematório, as pessoas empurravam, não consegui entrar!
    Senti-me mal, mesmo mal, com vontade de sair dali! Fui para casa da irmã dele, dormi a tarde toda!   
    Quando acordei pensei que tinha sido um mero sonho. Não era um sonho, era bem real e a tristeza voltou de novo!
    Voltei para o Algarve, decidi ver as entrevistas e os concertos dados por ele.
    Percebi-me que ele era feliz, que já tinha o que queria! Mas continuava sem perceber porquê da sua morte!??
    “ Não é justo! Ele tinha tanto que caminhar! porque tudo parou ali?”
    A ver televisão, e ler mentiras nas revistas sobre ele, só me punha pior, dizerem coisas que não sabem, mais vale estarem calados!
    Com os meus anos à porta, sem vontade nenhuma de festejar…lá me convenceram..., foi um dia divertido. Para acabar em grande, decidi ver um filme de terror com o meu primo e o meu tio à noite…para ver algo chocante!
    No dia seguinte decidi pintar o cabelo numa cor clara, para tirar o meu ar pesado de tristeza.
    Passam os dias. Cada vez, a dor é menor e sem me lembrar muito da morte dele.
    Continuo a sonhar com ele…. Deixa-me triste, tento pensar que ele está num lugar melhor.
    A dor é insuportável. É difícil aceitar a morte, mas também, talvez tenha sido melhor!. Os problemas acabaram, os desgostos de amor…
    É difícil encontrar uma pessoa com “poucos defeitos”, que se suporte.
    Muitas eram as qualidades…

Aluna do 8.º A

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

«Biblioteca Escolar, Saber, Um Poder para a Vida»


O mês de outubro é dedicado à Biblioteca Escolar. O dia 24 foi escolhido, a nível nacional, como forma de celebrar e promover este espaço de enriquecimento e lazer. O slogan deste ano é «Biblioteca Escolar, Saber, Um Poder para a Vida».

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Feliz regresso às aulas!

A equipa da Biblioteca Escolar da escola sede está de regresso!


Continuamos com ideias e actividades que queremos partilhar com todos vocês.

Venham visitar-nos! Não se arrependerão!

terça-feira, 5 de julho de 2011

«Um segundo de lágrimas» no auditório da escola sede

No dia 14 de Junho, no auditório da escola sede, as turmas B do 6.º ano e D do 7.º ano, puderam assistir à apresentação do livro de poesia “ Um segundo de lágrimas” da autoria de Victor Guedes, familiar do aluno João Guedes do 7.º D. Este escritor pretendeu dar a conhecer o seu percurso no domínio da escrita, os desafios inerentes à mesma, as dificuldades que se colocam na produção de todo e qualquer texto, e a necessidade da sua constante revisão. Além destas ideias, salientou ainda que é importante a nossa persistência no acto da escrita.

Teatro de Fantoches na Biblioteca da escola sede

No dia 16 de Junho, alunos das turmas C e D do 5.º e 7.º anos respectivamente realizaram, no decorrer da manhã, na biblioteca da escola sede, duas sessões de Teatro de Fantoches. Apresentaram, aos colegas do Jardim de Infância de Almancil, peças da sua autoria. O seu desempenho foi muito apreciado pelos presentes.
Esta actividade foi organizada no âmbito da área curricular disciplinar de Português e não disciplinar de Estudo Acompanhado e passou por três fases de desenvolvimento: construção e aperfeiçoamento de texto; ensaios e apresentação.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Protecção do Camaleão na Biblioteca da escola sede

No âmbito do Projecto Protecção do Camaleão, realizado pela disciplina de Educação Visual e Tecnológica. Os trabalhos encontraram-se expostos na Biblioteca da escola sede. Após votação dos alunos e professores, o trabalho vencedor foi do aluno Vitorino Mestre, do 6.º B.

domingo, 3 de julho de 2011

Exposição de trabalhos em estanho na Biblioteca da escola sede


Foram expostos, na Biblioteca da escola sede, trabalhos em estanho, realizados por alunos do 8.º ano, no âmbito da disciplina de Educação Tecnológica.

sábado, 2 de julho de 2011

Concurso «Soletrar» na Biblioteca da escola sede

Realizou-se, na Biblioteca da escola sede, no passado dia 21 de Junho, pelas 14:30 horas, um Concurso de Soletração, organizado pelo Grupo de Língua Portuguesa. Visou promover o interesse pela Língua Portuguesa, melhorar a ortografia e aumentar o vocabulário dos alunos dos 2.º e 3.º ciclos. Participaram alunos dos 5.º,6.º, 7.º anos e um aluno do 8.ºano. No concurso, os alunos soletraram palavras sugeridas pelas professoras Anabela Chaves, Clara Apolo, Fernanda Maia e Isilda Fernandes. Sempre que erravam nas palavras soletradas, eram automaticamente desclassificados.
Os alunos vencedores foram: Aliana Vairinhos (5.º C); Ionuc Curac (6.º A) e Débora Guerreiro (7.ºC).

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Peddy-Paper na escola sede (em parceria com a Biblioteca)


No dia 21 de Junho, pelas 9:30 horas, realizou-se, no espaço escolar, um peddy-paper, organizado pelos Departamentos de Línguas e Matemática e Ciências Experimentais, em parceria com a Biblioteca.
Este contou com a participação de alunos dos 2.º e 3.º ciclos que revelaram receptividade e entusiasmo na realização da mesma.
As equipas vencedoras do 2.º ciclo foram: Gang - 6.º B (1º Lugar); Unidos – 6.º A (2.º Lugar) e The young people – 5.º B (3.º Lugar).
As equipas vencedoras do 3.º ciclo foram: Salpicas – 8.ºA (1.º Lugar); Los Txinxarerante – 7.º C (2.º Lugar) e Badjocas – 8.º C (3.º Lugar).

Concurso «O País Mistério»

Ao longo dos segundo e terceiro períodos, foi dinamizado pelo grupo de Geografia em parceria com a Biblioteca escolar da escola sede, “O País Mistério”.
Os alunos tinham que identificar o país retratado e responder no formulário fornecido na biblioteca escolar, de acordo com a publicação do retrato do “País Mistério”.
Todos os meses foi publicada a lista dos alunos que identificaram correctamente o “País Mistério” e publicados os comentários que o comprovaram.
Ganharam o concurso os alunos que, no final do ano, obtiveram maior pontuação: Carlos Correia número oito e Povel Poporici, número vinte da Turma B do sexto ano.
O grupo de Geografia felicita os dois alunos pela participação no jogo e todos os outros alunos que também participaram.
Aos vencedores foi atribuído um prémio.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

I Mostra de Teatro Escolar do Concelho de Loulé

 No Cine-Teatro Louletano esteve a decorrer a I Mostra de Teatro Escolar do Concelho de Loulé. A escola sede, no âmbito do projecto Babel, foi convidada a participar neste evento. Alunos de 2.º e 3.º ciclos deslocaram-se a Loulé, no passado dia 15 de Junho, pelas 21.30 horas, para apresentar a peça “Sonho de uma Árvore de Verão.” Apesar da inexperiência dos nossos alunos a nível de representação teatral, tiveram um bom desempenho, tendo sido muito aplaudido e apreciado pelos presentes. Os alunos foram acompanhados pelas professoras dinamizadoras do projecto, Fernanda Maia e Maria Júlia Gonçalves, e pelas animadoras Ana Nobre e Cláudia Galego.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

“ O Primeiro Português no Tibete” no auditório da escola sede

No passado dia 9 de Junho, pelas 10:30 horas, o professor Helder Trincheiras apresentou, a alunos do 9.º ano e outros elementos comunidade, o romance histórico “O Primeiro Português no Tibete” da sua autoria, da Papiro Editora. Esta actividade foi promovida pela Biblioteca da escola sede.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Visita de Estudo

Relatório da Visita de Estudo a Lisboa 
       
         No dia 24 de Maio, alguns alunos de 6.º ano foram a uma visita de estudo a Lisboa ao Museu da Presidência e à Assembleia da República.
         Começámos por visitar o Museu da Presidência, onde estava uma exposição sobre os presentes de Estado, oferecidos aos Presidentes da República. Primeiro, vimos o passaporte do Presidente da República, a Bandeira Nacional e o Diário da República com o Hino Nacional.
 De seguida, vimos muitos presentes oferecidos ao povo português, como, por exemplo, estátuas de marfim, porcelana, cobre e ouro, também vimos uma carapaça de tartaruga com vários desenhos brasileiros, espadas e punhais.
Depois havia as condecorações que podem ser oferecidas pelo presidente a qualquer pessoa que tenha feito algo importante, como por exemplo: salvar alguém de algum perigo, ser um bom artista, jogador de futebol, treinador, escritor, etc.…

A seguir estavam os retratos de todos os presidentes que Portugal já teve, sobrando um espaço na galeria para o do professor Cavaco Silva quando o seu mandado terminar. Seguidamente, subimos as escadas para o andar de cima, vendo mais retratos de presidentes e condecorações portuguesas.
Após ver quase todo o museu, entrámos na última sala, onde estavam utensílios de cozinha usados nos banquetes reais, terminando assim a visita ao museu.
A Assembleia da República foi o 2.º sítio que visitamos em Lisboa. Começamos a visita pelo átrio principal. Este situa-se no local onde antes era a igreja do antigo mosteiro dos beneditinos e pudemos ver lá os dois sinos da torre sineira e também os bustos de grandes parlamentares.
De seguida, fomos ao jardim de onde vimos o local do trabalho do Primeiro Ministro, engenheiro Sócrates. Depois subimos a escadaria nobre para ir à sala dos passos perdidos, onde vimos seis telas de importantes oradores portugueses, como o Padre António Vieira e o escritor Almeida Garrett. 
Através desta sala chegámos à sala das sessões, que é a sala de reuniões dos deputados, onde estes discutem para chegar a decisões que irão melhorar o país. À volta dos lugares dos deputados estão seis estátuas, todas de figuras femiminas que representam a justiça, a constituição, a diplomacia, a lei, a jurisprudência e a eloquência.

          Logo de seguida, fomos ao salão nobre, onde estavam seis imagens que retratam a época dos descobrimentos portugueses, e onde também são recebidas as visitas oficiais. No entanto, os representantes dos países africanos, do Brasil e da Índia não são recebidos lá, porque aquelas imagens são de alguma forma ‘’ ofensivas” para eles.

     Por fim, fomos ver a sala do senado, onde está um retrato de D. Pedro, pois foi ele que a inaugurou. No fim de tudo, despedimo-nos da guia no claustro.

Miriam Neves, Daniela Gamboa, Ema Gil, Marina Muntyan, Mileide Borges, Ana Maria e Maria Chifa, 6.ºC

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Pilhas de Livros para S. João da Venda

O  Jardim de Infãncia de S. João da Venda concorreu ao concurso "Pilhas de Livros" do Modelo e foi a escola vencedora.
O Modelo ofereceu  vários livros que tiveram entrega solene. Estes foram expostos no espaço escolar, para que todos os alunos do Jardim e da EB1 os pudessem conhecer.
Valeu a pena recolher tantas pilhas.
Ajudou-se o ambiente!

terça-feira, 31 de maio de 2011

1 de Junho - Dia Mundial da Criança


Amor pela criança 

Pedaços de amor no meu olhar

Apenas feitos por amar.

Este amor pela criança é tão grande que me faz voar até ao fim do

Mundo gigante, sem nunca mais parar.

Luana Nogueira, 5.º A


No dia da criança,
Há amor por todo o lado.

Todos têm uma lembrança,

Nem que seja uma gelado.

Raquel Inocêncio, 5.º A              

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Dia Mundial da Criança




Quem sou?

Um milagre de amor.

Por dona cegonha encontrada.

Sou criança, botão em flor,

Anjo do céu por Deus criada.


Andreia Santos, 5ºA


É dia da criança.

Vamos pedir aos nossos pais,

Uma “festança”

Nem que seja com uma dança.


Paulo Martins, 5.ºA

Pré-Escolar inicia-se no Paint

Os alunos das educadoras Marília e Henriqueta que frequentam o ensino pré-escolar, no estádio Algarve, fizeram a sua iniciação no programa Paint. Os alunos foram muito criativos. Sem dúvida que temos artistas!


sexta-feira, 20 de maio de 2011

José Viale Moutinho

O escritor José Viale Moutinho esteve na EB1 de Almancil com alunos de três turmas desta escola. O escritor falou-nos da sua vida, obra e preferências. Foi um encontro muito interessante e animado, pois também recitámos poesia de sua autoria. O José ainda nos deixou um desenho autografado. Gostámos muito desta visita!



A nossa escola é baril




No Portal, está a nossa Onda Radical.
Em Almancil, está uma escola infantil.
Em Almancil, somos mais de mil.

A nossa escola é baril
porque é em Almancil.

Em Portugal, desafios mil vamos encontrar.
Onda radical é um mundo social.
Neste Portal, vamos ouvir e falar.

A nossa escola é baril
porque é em Almancil.

Neste Portal, vamos ouvir e falar.

A nossa escola é baril
porque é em Almancil.

A música em Almancil é muito fixe.
Na nossa escola, tudo anda a 1000.

A nossa escola é baril
porque é em Almancil.

Ioan e Georghe, 5º. D (Apoio de PLNM)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Um dia do avesso

   
    Este texto foi realizado a partir da leitura da obra  «À Beira do lago dos Encantos» de Maria Alberta Menéres.

      Acordei pela manhã, esfreguei os olhos, olhei para o despertador, era muito tarde. Já estava atrasada para a escola. Saltei da cama, tomei banho, vesti-me, nem tive tempo para comer direito.

      Subi as escadas, fui ver-me ao espelho para ver se estava bonita. Quando me olhei, qual o meu espanto, vi-me adulta. Estava muito alta, o meu corpo estava mais desenvolvido, resumindo era uma mulher e dona do meu próprio nariz.

     Fiquei tão surpreendida e espantada, que não sei bem mais o que senti na altura ... Lembrei-me dos meus pais. Fui ao quarto deles e vi-os transformados em crianças. Meus deus! Fiquei, certamente, maluca!       
     Eles olharam para mim e disseram:
      - Bom dia, mãe! - E perguntei:
      - O que é que vos aconteceu?
    Não me responderam e só diziam « mãe», « mãe», « mãe», ...
    Então comprrendi. Era mesmo adulta!  Era mãe, trabalhava, conduzia, tinha responsabilidades.

    Durante a minhâ infância, dizia que queria ser adulta, mas, agora, só queria voltar a ser criança, pelo menos, não tinha tantas obrigações. Os meus pais, ou bem dizendo filhos, constantemente, tinham fome e tinha de lhes dar comida, passava a vida a cozinhar e tinha, todos os dias, de levá-los à escola.

    Numa dessas idas à escola para deixá-los, o meus telefone tocou. Atendi e ouvi uma voz rouca:
     - Despacha-te!
    Fiquei sem reacção. Questionei-me, murmurando:
    - Onde trabalho eu? - Rapidamente, ouvi, do outro lado da linha:
    - O que é que se passa?  O Jornal 25 de Abril há muito que te espera!
   Fiquei tão feliz porque trabalhava num jornal. Fazia algo de importante. Quando cheguei ao meu local de trabalho, o patrão já estava à minha espera. E disse-me:
   -  Tens ali os baldes, os panos e o detergente. Despacha-te na limpeza!
   Fiquei desiludida porque, afinal, era empregada de limpeza.

   No final de um dia de trabalho, quando deram as sete horas, tinha de ir buscar as crianças à escola. Logo que  lá cheguei, vi-os e deram-me um beijo.

    Em seguida, fui para casa rapidamente, tinha de fazer o jantar e estava tão cansada!   Fiz o jantar, dei-lhes de comer, banho e pu-los a dormir. Estava exausta e só me apetecia dormir, mas tinha a loiça para lavar e, não tive remédio, lavei-a.

    Depois de um dia para esquecer, fui para a sala, sentei-me no sofá e, finalmente, adormeci.

Sandra, 7.º C   

terça-feira, 17 de maio de 2011

O meu mundo

     

Este texto foi realizado a partir da leitura da obra  «À Beira do lago dos Encantos» de Maria Alberta Menéres.

     Adão e Eva vão para a Terra encontrar-se com o João para explorar melhor o planeta.
     
     Quando chegam, o João pergunta:
      - Não têm fome?
      Eles reponderam que sim e que, se fosse possível, gostariam de comer maçãs. Enquanto eles comem, o João pergunta:
      - São namorados?
      Ao que Eva responde:
      - O que é ser namorados?
       E o João responde:
      - São duas pessoas que gostam uma da outra, que dão e, também, recebem afecto, carinho, que  se cuidam e gostam de estar juntas. Tu e o Adão estão sempre juntos e parecem gostar imenso um do outro.
      - Deixa lá isso ... E a música? Eu não sei o que é ... Adão, tu sabes o que é a música?
      Adão responde:
      - Não!
      O João intervém e diz que a música são sentimentos expressados por palavras numa melodia.   
      - Queres ouvir?
       Depois de Adão e Eva terem ouvido uma canção, queriam compor uma, pois tinham muita imaginação. Como o João verificou que eram desafinados, deu-lhes a ideia  de escrevem um livro sobre o planeta de onde vieram, e assim foi.
       Adão e Eva escreveram o livro e ficaram muito famosos.

Viviana, 7.º B
   

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Cuidar de alguém é difícil ...



Este texto foi realizado a partir da leitura da obra  «À Beira do lago dos Encantos» de Maria Alberta Menéres.

 (No quarto do Daniel)

Daniel (a escrever o seu diário): «Querido diário, comprei-te hoje e já quero encher as tuas páginas brancas com letras e palavras sobre o meu dia-a-dia.»

Mãe (entrando em cena): Daniel! Já são horas de ir para a cama, amanhã podes escrever no teu diário novo, mas agora já são horas de dormir. Boa noite!

Daniel: Está bem, mãe. Boa noite!

(No dia seguinte, de manhã)


Daniel (a escrever no seu diário): «Querido diário, eu sei que só devia de escrever em ti à noite, mas hoje acordei bem cedo, e qual foi o meu espanto, estava adulto. Tenho mais um metro do que ontem, a minha voz mudou, está mais grossa, a minha cara está maior e já tenho barba.

Fui para o quarto dos meus pais para lhes dizer o que me tinha acontecido e, quando olhei para eles, tinham o aspecto de crianças de três anos. Depois de ver os meus pais assim, vim logo a correr para o quarto, para escrever tudo o que aconteceu dentro de ti. Não sei o que fazer! Falamos mais logo. Vou fazer o pequeno almoço para os meus pais e depois venho escrever em ti.»


(Na cozinha)


Daniel (para a mãe): Vá lá! Se não comeres a papa, nãos cresces como eu.

Daniel (para o pai): Vá lá! Se não comeres a papa não ficas com barba como eu.

Daniel (para os pais): Despachem-se a comer que vocês têm que dormir a cesta.

Daniel (a falar baixo): Também eu!... O meus pais dão muito trabalho.


(Daniel no quarto dele a  acordar da cesta.)


Daniel (a escrever no seu diário): «Querido diário, depois de dar o pequeno-almoço aos meus pais, levei-os para o quarto para dormir a cesta, e eu fiz o mesmo. Agora, acabei de acordar e já estou de volta ao normal e os meus pais também. Agora já sei o que os meus pais passam por cuidarem de mim.»

«Cuidar de alguém é difícil »


Daniel, 7.º B

quinta-feira, 12 de maio de 2011

A imaginação dos mais novos

Estes desenhos foram criados a partir da leitura da obra «A Floresta» de Sophia de Mello Breyner.






terça-feira, 10 de maio de 2011

Melhor Leitor do 2.º Período

Parabéns ao André Cojocaru do 1.º ano por ter sido o Melhor Leitor
do 2.º Período da EB1 de Almancil

domingo, 8 de maio de 2011

Sessão sensibilização/formação sobre dislexia na escola sede

     Realizou-se no dia 4 de Maio, pelas 18:30, no auditório da escola sede, uma sessão de sensibilização/formação sobre dislexia, apresentada pela Coordenadora da Educação Especial da Direcção Regional de Educação do Algarve, Dr.ª Sandra Correia.
     Nesta sessão participaram professores, técnicos de acção educatica e encarregados de educação que partilharam com os presentes a sua experiência, enquanto pais e educadores de crianças disléxicas. 
   Todos os participantes seguiram esta sessão com muito interesse, apresentando dúvidas e solicitando  mais informação sobre esta temática.      
    Esta actividade foi dinamizada pelo Grupo de Educação Especial em parceria com a Biblioteca da escola sede.

sábado, 7 de maio de 2011

Um dia diferente


     
      Este texto foi realizado a partir da leitura da obra «À Beira do lago dos Encantos» de Maria Alberta Menéres.

      Nessa noite, fui-me deitar muito aborrecido, porque os meus pais me tinham obrigado a ir para a cama e não me apetecia nada dormir. Abri a janela do quarto para ver os meus cães. Quando olhei para o céu, para admirar as estrelas, vi uma estrela-cadente a passar e pedi um desejo ... pedi que os meus pais fossem mais novos do que eu.

      No dia seguinte, quando me levantei, deparei-me com os meus pais a ver desenhos animados e a jogar jogos de computador. Vi a aminha mãe a brincar com bonecas. Achei muito estranho e perguntei:
      - O que é que vocês estão a fazer?
      - Nós estamos a brincar, qual é o espanto? - respondeu a mãe.
     - É que vocês estão sempre a zangar-se comigo, a dizer o que não posso fazer, como por exemplo brincar muito e estudar pouco ... O que é que aconteceu agora?
      - Zangar-me contigo ...? Dizer o que não podes fazer ...? Não sei o que estás a dizer - respondeu o meu pai.
        E lá continuaram eles a brincar.
      Levei algum tempo a perceber o que tinha acontecido, mas depois lembrei-me do desejo que tinha pedido na noite anterior.

      Já passava da hora do almoço, quando a aminha mãe chegou ao pé de mim e disse:
      - Tenho fome. O que é o almoço?
      - Mas quem normalmente faz o almoço és tu, respondi eu.
      - Mas eu não sei cozinhar ... Como é que vou fazer o almoço?
      Calei-me e fui para a cozinha. Lembrei-me que tinha uma pizza no congelador e meti-a no forno, pois era a única coisa que sabia fazer.

       Perto da hora de jantar, disse-lhes:
     - Vão tomar banho!
      Ouviram-me mas não prestaram atenção às minhas palavras. Então, fui à sala e voltei a dizer:
     - Vão tomar banho!- muito aborrecido. E lá foram.
     Jantámos muito bem e, como já estava na hora de dormir, foram para a cama sem protestar. Eu, depois de arrumar tudo, também me fui deitar.

     No dia seguinte, quando acordei, reparei que os meus pais  tinham voltado ao normal. Suspirei de alívio, porque a experiência que tinha vivido no dia anterior não tinha sido nada agradável.

 João Gouveia, 7.º C